Diocese de Guarulhos

SÃO PAULO - BRASIL

“O Senhor fez em mim maravilhas.” (Lc 1,49)

Categorias
Artigos Falando da Vida

Finalmente um Natal de Paz

Aprendendo com as crises.

Passados dois anos de pandemia e de quase 700 mil mortes, será que estamos prontos para sentarmos novamente à mesa e celebrarmos o Natal em família? Com alguns cuidados, a resposta seria sim, afinal mesmo com o aumento de casos verificado nas últimas semanas, a pandemia está sob relativo controle e não oferece os perigos de antes. Todavia, as sequelas das brigas causadas pelas discussões envolvendo preferências partidárias nas últimas eleições, ainda são um desafio a ser vencido.

É certo que estamos vivendo uma crise política que afeta as relações sociais, mas analisando o conceito de crise, temos razões para ficarmos esperançosos de que poderemos colher frutos dos conflitos gerados pela pandemia e também pela política. A palavra crise vem do grego krisis e significa mudança súbita.  Conhecemos várias modalidades em que a palavra é empregada: crise econômica, crise afetiva, crise nervosa, crise política, etc. Em Psicologia, crise define um momento de sofrimento intenso, podendo ser o ponto de partida para uma mudança efetiva na vida da pessoa. Portanto, crise não é algo negativo, pois está relacionado à ideia de transformação.

Se com a crise de saúde aprendemos a seguir protocolos a fim de proteger o outro e também a nós mesmos, da mesma forma podemos aprender com as crises que provocaram desavenças e fizeram membros de família se separarem fisicamente ou deixarem de se seguir nas mídias sociais. Creio que, no atual momento, cabe aqui fazer uma pergunta: esse combate político valeu a pena? O que na verdade estamos buscando? Ter paz ou ter razão? O vazio que vai ficar em muitas mesas na ceia de Natal tem de ser o ponto de partida para a discussão que verdadeiramente vale a pena ser feita.

Será que não estamos atirando no alvo errado? Será que não temos inimigos em comum como a fome, a miséria, a violência, a degradação do meio ambiente e será que além da política não existem outras formas de combatê-los? Se percebêssemos que, em última análise fazemos parte de uma mesma família chamada humanidade, que habitamos a mesma casa chamada Terra e que compartilhamos os mesmos objetivos, poderíamos nos reunir numa mesma mesa e celebrar o Natal como irmãos. A verdade é que mais importante do que esse jogo insano, no qual não existem vencedores, existe a paz em família que deve triunfar acima de tudo.

 

Romildo R.Almeida

Psicólogo clínico

Categorias
Artigos Falando da Vida

Fome e Saúde mental

Que possamos, de fato, ter Pão em todas as mesas.

Estamos em novembro e a esta altura já conhecemos quem vai governar o Brasil nos próximos quatro anos. Não importa quem seja o vencedor, o nosso pais vai perder muito se não resolver o problema crucial que, segundo a ONU, atinge 28,8% da população brasileira, a fome. Esse quadro piorou muito desde 2020; hoje são 33 milhões de pessoas que convivem com escassez de alimentos no território nacional. Para um país que é considerado o celeiro do mundo, essa estatística assume um caráter de escândalo que precisa ser enfrentado de todas as maneiras independentemente de ideologia política.

As consequências da fome vão muito além de um prato vazio na mesa. Ela representa uma escalada de problemas que começa na gestação e atinge de forma irreversível o período mais importante do desenvolvimento humano que é a infância. Uma criança que não se alimenta adequadamente, tem baixo rendimento escolar e a sua trajetória ficará comprometida até a vida adulta. É triste consultar o mapa da fome e constatar que ela tem cor, sexo e endereço, pois atinge em maior número, pessoas pretas, mulheres que vivem na região Norte e Nordeste, que não conseguem alimentar seus filhos dignamente.

A relação entre fome e saúde mental, pode ser melhor compreendida, a partir do conhecimento sobre como os traumas vividos na infância podem impactar o indivíduo na vida adulta. É sabido que o inconsciente armazena informações especialmente aquelas que são carregadas de grande carga emocional. Essas experiências traumáticas são combinadas com eventos futuros desencadeando assim, sofrimento psicológico sob a forma de transtornos que vão desde a depressão até problemas mais sérios como distúrbios psiquiátricos. Pois bem, a experiência da fome é uma forma nefasta de violência e gera um trauma que não será apagado posteriormente do inconsciente, mesmo com o excesso de comida.

A fome tem solução e o principal responsável é o Estado que tem a obrigação de desenvolver políticas públicas que amenizem a desigualdade social. Não tem sentido ver poucos com tanto e tantos com pouco ou quase nada. Mas a responsabilidade é de toda a sociedade, não podemos cruzar os braços enquanto cidadãos, sobretudo cristãos. Como seria bom se cada um de nós tivéssemos o dom da Empatia e Compaixão assim como tem o Padre Júlio Lancelotti. Poderíamos ver refletida no outro, a nossa própria humanidade e ao invés de temer, fugir e condenar, fôssemos capazes de abraçar e alimentar aquele que tem fome não só de pão, mas de amor e fraternidade.

 

Romildo R. Almeida – Psicólogo clínico

Categorias
Artigos Falando da Vida

Educando Crianças

Como elogiar uma criança sem prejudicá-la?

Imagine que o seu chefe fez um elogio dizendo que você é muito inteligente e tem grande potencial para crescer na empresa. Claro que você se sentiria feliz, mas talvez isso aumentaria a sua responsabilidade e afetaria a sua segurança em aceitar novos desafios. Se elogios dirigidos à pessoa afetam a vida de um adulto, imaginem o que fazem na mente de uma criança. O problema não está no ato de elogiar e sim na maneira como ele é feito; como veremos, o correto é elogiar o esforço e não o resultado.

Crianças educadas na presença de adultos, normalmente recebem muitos elogios dentro da família. São tratadas como as mais lindas, mais inteligentes, mais capazes, etc. Quem elogia, faz na boa intenção de aumentar a autoestima incentivando a busca de bons resultados. Mas a Psicologia demonstra que os elogios podem ter efeito contrário gerando comportamentos de insegurança e esquiva. A Psicóloga americana Carol Dweck, da Universidade Stanford, aplicou um teste de inteligência em 400 crianças onde a metade delas recebeu elogio pessoal com a frase: Parabéns, você é muito inteligente e as demais com a frase impessoal: Parabéns pelo seu esforço.

Num segundo teste, aqueles que receberam elogio pessoal apresentaram resultado 20% inferior ao outro grupo. O estudo mostrou que faz muita diferença elogiar o processo ao invés da pessoa. A criança super estimulada positivamente tende a ficar insegura e a evitar novos desafios, pois teme não conseguir repetir as façanhas que renderam elogios anteriores. Faz sentido, pois ninguém quer ter frustrações, sobretudo considerando que vivemos sob a Ditadura da felicidade que prega que temos que estar felizes o tempo todo.

Uma educação que visa o equilíbrio e o bem-estar, precisa levar em conta que a tristeza e o fracasso fazem parte da vida e são importantes no processo de amadurecimento. As experiências negativas, nos ajudam a refletir e aceitar as coisas como elas são e não como gostaríamos que fossem. A melhor maneira de elogiar é focalizar o processo ao invés do resultado. Que tal se no lugar de frases como: Parabéns você é o melhor, disséssemos: Fiquei muito feliz com o seu esforço? Sem dúvida, sairia um peso muito grande dos ombros de quem ouve e uma frase muito mais honesta da boca de quem elogia.

 

Romildo R.Almeida – Psicólogo clínico

Categorias
Artigos Falando da Vida

Qual o Sentido da Vida?

Por que o Suicídio entre Jovens está aumentando no Brasil?

“Minha vida não tem muito sentido, sinto que não faço nada certo, fico a maior parte do tempo fechado dentro do meu quarto e não tenho amigos. Às vezes sinto que é melhor se eu não existisse; não sei se vale a pena continuar vivendo assim.” O relato acima é imaginário, mas certamente representa o sentimento real de muitos jovens que sofrem de Depressão e estão no grupo de risco daqueles que podem cometer suicídio. Desde 2015 a campanha Setembro amarelo se dedica a conscientizar as pessoas através de debates e eventos sobre esse importante tema.

Segundo a OMS, o suicídio é a segunda principal causa de morte entre jovens com idade de 15 a 29 anos. De maneira geral, a ideia de deixar de existir está associada ao desenvolvimento de estratégias para lidar com problemas e é comum num jovem em formação, mas o perigo começa quando se torna uma ideia compulsiva e o indivíduo vê nessa via, sua única saída. Nesse caso, estamos diante de um sério problema que, se não for devidamente tratado, pode gerar consequências trágicas. Infelizmente, no Brasil houve um aumento de casos, de acordo com pesquisa realizada pela Unifesp, publicada em 2019.

A Psicologia, nas suas diversas abordagens, pode ajudar as pessoas a superarem esse quadro. Normalmente é o pensamento que precisa ser tratado. Muitas vezes o pensamento, apresenta distorções cognitivas que geram sentimentos negativos, por exemplo: “Minha vida não vale a pena porque não consigo me relacionar com ninguém. ” O relacionamento social e afetivo é uma das competências humanas, mas não pode representar o sentido da vida. A Terapia Cognitivo Comportamental (TCC) é uma abordagem que pode promover uma melhora na relação do indivíduo consigo mesmo, através da análise do pensamento.

A causa do sofrimento psicológico está ligada à falta de sentido. De onde vim? Para onde vou? Para que estou vivendo? – são perguntas que todos fazemos; o vazio existencial produz pensamentos autodestrutivos e precisa ser preenchido com motivações verdadeiras. Mas o melhor conselho é: seja paciente consigo mesmo, considere os pensamentos como eventos mentais, não como realidade. Evite ficar ruminando sobre acontecimentos do passado; viva apenas o momento presente. Ao invés de esperar que a vida tenha sentido, procure dar sentido à vida fazendo algo de útil não só para você, mas para toda a comunidade. A vida é dom de Deus e precisa ser honrada.

 

Romildo R.Almeida – Psicólogo clínico