Diocese de Guarulhos

SÃO PAULO - BRASIL

“O Senhor fez em mim maravilhas.” (Lc 1,49)

Pesquisar

Páscoa da Ressurreição com Alegria!

Que todos possamos celebrar com alegria a Páscoa de 2023 com alegria e como um acontecimento novo onde somos restaurados! Achei conveniente repetir aqui uma reflexão de 2014, com alguns acréscimos. Ela parece-me atual.

Com o Domingo da Páscoa da Ressurreição a Igreja inicia 50 dias de festa celebrando o Cristo ressuscitado. Estes 50 dias culminam e terminam com a Solenidade de Pentecostes.  Este período celebrativo do Ano Litúrgico nos faz também refletir como os cristãos são chamados a viver a presença do Cristo ressuscitado.  Uma simples análise dos trechos bíblicos dos relatos da ressurreição nos evangelhos pode dar-nos indicações importantes. Aqui, no entanto, quero salientar uma importantíssima: a experiência do Cristo ressuscitado na vida dos discípulos dá-se em COMUNIDADE.

Às mulheres que vão ao túmulo em Mt 28,1-8, o anjo determina-lhes que os discípulos estejam reunidos na Galileia. Alí verão o Ressuscitado. Algo semelhante acontece em Mc 16,1-8, com uma característica especial: dizer aos discípulos e a Pedro. Isso, de certo modo, caracteriza os discípulos, não de modo amorfo, mas comunitário. No relato de Lc 24,1-12, não aparece a determinação de se reunirem na Galileia, mas as mulheres, voltando do túmulo, anunciam o acontecimento do túmulo a vazio e o que presenciaram, aos discípulos (“os onze”, “os apóstolos”): sempre o coletivo, nunca o individual. A experiência dos assim chamados “discípulos de Emaús” (Lc 24,36-52) faz com que eles voltem para Jerusalém, ao seio da comunidade dos discípulos de Jesus.  No evangelho de João (Jo 20,1-18) a personagem principal da primeira aparição do Ressuscitado é Maria Madalena. Após a sua experiência do encontro com o Ressuscitado, ela vai anunciar aos discípulos. É patente que a experiência do Ressuscitado nunca é uma experiência “mística” individualizante, ela sempre remete à comunidade dos discípulos. Não há como vivenciar a experiência do Ressuscitado estando desvinculado da comunidade.

A este propósito é emblemático o trecho da chamada “incredulidade de Tomé” (Jo 20,19-29). Tomé não faz a experiência do Ressuscitado exatamente porque não estava reunido com a comunidade naquela tarde de domingo (o primeiro dia da semana). Ele fará a sua experiência da presença do Ressuscitado quando, no outro domingo, (oito dias depois) estiver reunido com a comunidade.

A comunidade dos discípulos de Jesus reúne-se para a Páscoa semanal, celebrando o domingo, Dia do Senhor (dies Domini). A celebração da Eucaristia é o ponto de chegada e o ponto de partida para toda a missão da Igreja.

O Ressuscitado não envia os discípulos em missão individualmente. Sempre estão reunidos: Mt 28,16-20; Mc 16,9-19; Lc 24,36-52 e Jo 21.

Se somos discípulos do Ressuscitado, não há outro modo de segui-Lo a não ser em comunidade. Celebrar a Páscoa e afastar-se da comunidade do Ressuscitado, esperando para celebrá-la novamente no ano seguinte, é ser “pascoalino” e não discípulo. A Igreja é mistério de comunhão. Não há como ser Igreja sem caminhar numa comunidade.  

“O discípulo missionário de Jesus Cristo faz parte do Povo de Deus e necessariamente vive em comunidade. A dimensão comunitária é intrínseca ao mistério e à realidade da Igreja, que deve refletir a Santíssima Trindade. Sem vida em comunidade, não há como efetivamente viver a proposta cristã, isto é, o Reino de Deus. A comunidade acolhe, forma e transforma, envia em missão, restaura, celebra, adverte e sustenta.” (CNBB, Diretrizes Gerais da Ação Evangelizadora da Igreja no Brasil, 2011-2015, n. 56)

Dom Edmilson Amador Caetano, O. Cist. – Bispo Diocesano

NOTÍCIAS E ARTIGOS

Irmãs Paroquiais de São Francisco

Todo batizado por natureza é um vocacionado, vocacionado a Vida, vocacionado a ser Cristão. Dentre esses há aqueles que ouvindo mais de perto esse chamado,

25 ANOS DE GRAÇA EM NOSSO SEMINÁRIO

Este ano celebramos um momento muito especial em nossas vidas em nosso Seminário Diocesano Imaculada Conceição – o 25º aniversário da entronização do ícone de