Diocese de Guarulhos

SÃO PAULO - BRASIL

“O Senhor fez em mim maravilhas.” (Lc 1,49)

Liturgia nos Ritos da Iniciação Cristã

Nesta série de artigos da Liturgia vamos comentar riquezas pouco conhecidas da liturgia: as celebrações com os catequizandos antes da Páscoa. Será muito útil conhecermos estes conteúdos, para celebrarmos bem e crescermos com estas celebrações.

Recordemos um pouco da história da Quaresma: Na catequese de adultos da Igreja antiga, os que seriam batizados na Vigília Pascal faziam 40 dias de intensa oração e jejum. E a comunidade refazia com eles o caminho para a renovação do batismo. Este é o sentido mais antigo da Quaresma: preparar a celebração da Ressurreição.

No Ritual de Iniciação Cristã de Adultos (RICA) há celebrações para integrar os catequizandos na comunidade. A primeira é a “Celebração da Eleição ou Inscrição do Nome”, prevista para o primeiro domingo da quaresma. Está no RICA, números 133 a 151. Vamos aqui resumir o essencial desta celebração:

Depois da Liturgia da Palavra, o padre questiona os catequistas e padrinhos se os catequizandos já amadureceram o suficientemente para receberem os sacramentos. O padre perguntará:

– Os catequizandos ouviram fielmente a Palavra de Deus? Estão vivendo na presença de Deus, como foi ensinado? Têm participado da vida e da oração da comunidade?

Depois da confirmação dos catequistas e padrinhos, o padre perguntará aos próprios catequizandos:

– Vocês querem ser iniciados à vida cristã, pelos sacramentos do Batismo, Crisma e Eucaristia? Querem prosseguir fiéis à santa Igreja, continuando a frequentar a catequese, participando da vida da comunidade?

Depois da resposta afirmativa dos catequizandos, os nomes deles serão escritos num livro. Este livro é uma representação simbólica do “Livro da Vida” citado em Apc 20, 11-15. Os nomes dos catequizandos são escritos no livro, para entrarem no mistério de Cristo que a comunidade vive.

Então, são feitas preces específicas pelos catequizandos, de agora em diante chamados “eleitos”. Na celebração da comunidade, no terceiro, quarto e quinto domingos da quaresma, os eleitos voltarão para receberem novamente a oração da comunidade, em vista dos sacramentos que vão receber.

Observe a dimensão comunitária da catequese e da celebração: os catequizandos são apresentados pelos catequistas e padrinhos para a comunidade, a comunidade acolhe e ora por eles. Um elemento essencial deste rito é o diálogo entre os catequistas, padrinhos e o padre. O outro elemento é a oração: o padre pede que a comunidade reze por aqueles que serão batizados. É a comunidade de fé que acolhe seus novos membros, e o padre preside este diálogo e intercessão (RICA n. 148-149)

Os ritos são muito bonitos, mas precisamos dar um sentido prático para eles. Os catequizandos precisam da acolhida concreta da comunidade, que se torna corresponsável pela vida nova que eles vão assumir. A comunidade precisa viver com eles o caminho do Evangelho e a paixão pelo Reino de Deus, para fazer valer o que os ritos significam.

 

Pe. Jair Costapela Comissão Diocesana de Liturgia

NOTÍCIAS DIOCESANAS