Diocese de Guarulhos

SÃO PAULO - BRASIL

“O Senhor fez em mim maravilhas.” (Lc 1,49)

Pesquisar

DAVI : ≈1010 – 970 A. C.

(1Sm 16-31; 2Sm 1-24 e 1Rs 1 – 2)

ETAPAS:

  1. ASCENSÃO AO TRONO: 1Sm 16 – 2Sm 4, 12

Temos duas narrativas de sua escolha e unção que acontecem antes da morte de Saul:

Na 1ª. Narrativa (1Sm 16, 1 – 13) Davi é escolhido para ser rei, dentre oito irmãos, na casa de Jessé, em Belém, e ungido por Samuel;

Na 2ª. Narrativa (2Sm 2)  Davi é aclamado rei pelas tribos do Sul, em Hebron; 7 anos depois, após a morte de Saul, seria também aclamado pelas tribos do Norte como rei de Israel (ver 2 Sm 5);

Quanto à presença de Davi na corte de Saul, temos três narrativas:

Na 1ª. Narrativa Saul pediu a Jessé que cedesse o jovem Davi pra tocar lira, a fim de aliviar a depressão do rei Saul (ver 1Sm 16, 14 – 23); depois, Davi se tornaria escudeiro do rei Saul;

Na 2ª. Narrativa (ver 1Sm 17, 12 – 54) Davi, no campo de batalha, derrota o soldado filisteu (Golias); Davi se apresenta a Saul, pedindo-lhe para que deixe Davi lutar contra o gigante Golias;

Na 3ª. Narrativa: (ver 1 Sm 17, 55 – 18, 5) Aqui, após a derrota do gigante Golias, Saul pede a Abner, chefe do exército, a respeito de Davi; não obtendo resposta, o próprio rei Saul chama o “herói” e o toma a seu serviço; mas, percebendo o esplendor e o sucesso de Davi entre os súditos, Saul passa a persegui-lo, tentando matar Davi, que escapa da morte, graças a Jônatas, filho de Saul (1Sm 20).

OBSERVAÇÕES:

– os autores das narrativas acima (de épocas e lugares diferentes) deixam bem claro a sua preferência por Davi;

– embora o apresentem de forma muito simpática, não ocultam as fraquezas de Davi;

-Davi é apresentado como um homem cheio de bondade, corajoso nas conquistas militares, dotado de qualidades humanas e artísticas, bem sucedido e chega a se casar com Micol, filha de Saul (1Sm 18, 17 – 30);

-Saul mostra-se incapaz no plano político (1Sm 31), indigno no plano religioso (1Sm 15, 10 – 31) e desequilibrado no plano psíquico (1Sm 19, 8 – 24); perde, aos poucos, o prestígio inicial;

A preocupação do autor é ressaltar a Aliança de Deus com seu povo, portador das promessas e do futuro Messias, que deveria vir pela família de Davi;

Tomemos cuidado para não achar que Davi era um “santo” pré-escolhido por Deus e que tudo foi “limpo” para o lado de Davi.

  1. AS CONQUISTAS DE DAVI E SUA ACLAMAÇÃO E COROAÇÃO EM JUDÁ E ISRAEL (2Sm 5 – 8)

Conquistando seu espaço, Davi se impôs primeiro sobre as tribos do Sul e, depois, sobre as tribos do Norte; adotou uma política pessoal e paralela ao governo de Saul; habilidoso, conseguiu simpatia das tribos do Sul (1Sm 27, 10 – 12; 30, 26 – 31);

Não participou da batalha de Gelboé, na qual Saul foi morto, mas foi reconhecido “rei” em Hebron (2Sm 2, 1 – 14);

Após a morte de Abner, general de Saul (2Sm 3, 22 – 39), e de Isbaal, filho de Saul (2Sm 4, 1 – 12), os anciãos de Israel reconhecem Davi como rei; consolida-se o poder régio de Davi sobre o Sul e o Norte de Israel;

           Alguns conflitos permearam a consolidação da realiza davídica:

Abner X Joab, general de Davi (2Sm 12 – 3,1); Joab se vinga de Abner, matando-o (2Sm 2, 22 – 23; 3, 27), apesar de Davi ter deixado Abner partir em paz (2Sm 3, 21); para apaziguar os ânimos das tribos no Norte, Davi acompanha os funerais de Abner (2Sm 3, 38);

Isbaal X Davi (2Sm 2, 9 – 11); Davi puniu os assassinos de Isbaal (4, 1.5 – 12);

2Sm 5, 1 – 3 = sem Abner e Isbaal, os israelitas (tribos do Norte), frente às ameaças dos filisteus, aderem a Davi.

A UNIÃO PESSOAL DE DAVI COM JUDÁ E ISRAEL:

Não houve mudanças estruturais nas duas regiões de Canaã; não foi constituído um reino (estado) unido, mas duas regiões sob um mesmo rei, cada qual com uma certa autonomia, ou seja, “duas nações” são governadas pelo mesmo soberano; cada região manteve sua personalidade política e suas características próprias, mas submeteram-se ao poder supremo de Davi; a aliança pessoal de Davi com Abner é que foi determinante para a aceitação de Davi pelas tribos do Norte; porém, sempre ficou entre as tribos a ideia de que Judá pertencia a Israel e vice-versa;

III. ESTRATÉGIAS POLÍTICAS DO REI DAVI

Davi foi sempre um guerreiro, estrategista, apoiado por uma estrutura militar, independente do controle tribal, com uma base sólida em Judá, que prometia certa estabilidade; ao contrário, foram os juízes, líderes militares ocasionais; buscou contatos com povos vizinhos (2Sm 2, 7), tinha recursos e poder, bem como uma forte autoridade sobre Judá (2, 4); seu ato estratégico foi a conquista de Jerusalém (2Sm 5, 9) – lugar que favoreceu sua neutralidade e independência em relação ao Sul(Judá) e ao Norte(Israel).

Davi conseguiu passar do estado nacional/tribal para o estado territorial, com fronteiras mais ou menos estáveis, congregando as tribos sob um mesmo governo; tratou com igualdade as tribos rurais dos cananeus e filisteus, tanto as do Norte como as do Sul;  além de conquistar Jerusalém, Davi também comprou a colina oriental, dando-lhe o nome de “cidade de Davi”, onde mandou construir um altar (2Sm 24, 18 – 19) – por isso, Jerusalém passou a ser um centro político, religioso e cultural do reino unido;

Para manter a unidade, Davi enfrentou muitos inimigos (reinos vizinhos), o que lhe deu confiança do povo das tribos.

 

Pe. Éder Aparecido

Vigário – Paróquia Santa Cruz e N. Sra. Aparecida – Jd. Pres. Dutra

NOTÍCIAS E ARTIGOS

SALOMÃO

(+ ou – 970 – 931 a.C.; texto: 1Rs 3-11) Salomão recebeu dois nomes: Salomão, dado por seu pai, Davi (2Sm 12, 24) e Jededias

Qual o Sentido da Vida?

Por que o Suicídio entre Jovens está aumentando no Brasil? “Minha vida não tem muito sentido, sinto que não faço nada certo, fico a maior