Diocese de Guarulhos

SÃO PAULO - BRASIL

“O Senhor fez em mim maravilhas.” (Lc 1,49)

UMA HISTÓRIA DE FÉ: ABRAÃO

A história de nossa fé se inicia em Gn 12, com o chamado de Deus a Abraão. Este é chamado a deixar sua família e ir aonde Deus definir. Mas o lugar para onde Abraão deveria ir é … indefinido! Isso nos lembra de quantas vezes, na nossa experiência de fé, caminhamos sem saber exatamente para onde vamos. É o “caminhar na penumbra da fé”! Abraão simplesmente “obedece” a Deus, contrastando com a desobediência de Adão e Eva (Gn3), mostrando-nos que o caminho da obediência é perfeitamente compatível com o caminho da fé!

Duas observações precisam ser consideradas aqui, no nosso estudo:

– A fé é inciativa de Deus: Deus, ao chamar Abraão, o desafia para uma nova experiência de vida, um novo modo de viver;

– A fé é resposta humana dada com prontidão, liberdade e confiança na Palavra de Deus.

No caso de Abraão, o chamado à fé lhe trouxe algumas consequências:

Crer na promessa de Deus – o desafio para Abraão, já idoso, com sua esposa Sara estéril, era crer na promessa; Abraão pensa nos “seus próprios meios” para assegurar o cumprimento da promessa de descendência que Deus lhe assegurava: escolher um dos seus servos (Gn 15, 3) ou ter um filho com a escrava Agar (Ismael: Gn 16). Deus tem seus próprios caminhos, que nem sempre são os caminhos humanos, de solução imediata. Daí é preciso se firmar numa relação de confiança com Deus.

Ruptura com o que destrói a família (Gn 13): embora nos impressionemos um pouco com a separação entre a família de Abraão e a família de Lot, o que está mais em questão aqui é a tentativa de superar aquilo que destrói a unidade e o bem estar de duas famílias, no caso. Muitas vezes, é preciso buscar um “mal menor”, pelo bem de todos na experiência da fé.

Resgate daqueles que amamos (Gn 14, 12 – 16): ao resgatar Lot dos reis que o raptaram, Abraão se torna um verdadeiro “go’el” (redentor, resgatador), mostrando-nos que a experiência da nossa fé supõe também reconduzir muitos e muitas à liberdade da fé.

Oblação do que temos e somos (Gn 14,17 -20): na oferenda que Abraão faz diante do sacerdote Melquisedec, vemos nesta experiência de fé, não só a oferenda de “coisas”, mas, na oferenda de seu dízimo, Abraão, na verdade, oferecia-se a si mesmo a Deus, prefigurando a oferenda de Cristo na Cruz.

A Aliança com Deus (Gn 15; 17): esta é firmada entre Deus e Abraão, através de “sinais visíveis”, que devem ser repetidos ou mantidos como concretização de algo espiritual na vida. Tanto o sacrifício de animais (mais tarde abolido pelo sacrifício de Cristo na Cruz) como a circuncisão (superada pela graça do Batismo), consistem não só em ritos externos, mas sobretudo expressões de uma comunidade que crê e segue os passos do “pai da fé”. Mas a essência da fé é a confiança absoluta na Palavra de Deus e nas suas promessas.

A intercessão até mesmo pelos que “não merecem” ((Gn 18, 1 – 33): Após confirmada a promessa de que Sara será mãe pelos três misteriosos peregrinos que Abraão hospeda em sua tenda, Abraão intercede para evitar a destruição de Sodoma, com o risco dos justos serem exterminados com os ímpios. Ainda hoje, diante da Cruz, contemplamos o Justo que deu sua própria vida em intercessão por nós, os ímpios.

O sacrifício do que mais amamos (Gn 22): no pedido do sacrifício de seu próprio filho Isaac, Deus põe Abraão à prova de uma forma um tanto radical; entretanto, assim como o Senhor providencia o animal para o sacrifício no lugar de Isaac, rejeitando o sacrifício de seres humanos, na plenitude dos tempos, Deus providenciará seu amado Filho como o Cordeiro para nos resgatar do pecado. Por isso, Isaac se torna prefiguração do “Cristo-sacrifício” para nossa redenção.

Enfim, a fé supõe como consequência, também “não ver” o cumprimento das promessas (Gn 25, 7 – 11): quando Abraão morreu, nada do que o Senhor lhe prometera havia se cumprido plenamente; mas Abraão creu até o fim. Na semente (Isaac) ele contemplou, no horizonte da esperança, todas as promessas de Deus acenadas para o futuro. Nosso grande desafio de hoje é prosseguir com confiança nas promessas de Deus, mesmo sem podermos enxergar com os olhos da carne a promessa da salvação; mas com o olhar da fé contemplamos as obras que Deus em nossa vida.

A fé de Abraão nos ensina a nos firmar na Palavra de Deus e crer no futuro que Deus prepara para nós. O autor da Carta aos Hebreus enaltece a fé dos antepassados e de Abraão (Hb 11, 8 – 12. 13 – 16. 17 – 19), mostrando-nos que vale a pena ter fé no amor de Deus.

 

Pe. Éder Aparecido MonteiroComissão de Liturgia Diocesana

NOTÍCIAS DIOCESANAS