Diocese de Guarulhos

SÃO PAULO - BRASIL

“O Senhor fez em mim maravilhas.” (Lc 1,49)

Sagrada Família: Exemplo de Amor

A vida em família está enraizada no matrimônio: a primeira vocação que aparece na Bíblia doada ao ser humano. Deus que é amor, cria o ser humano à sua imagem e, para que o ser humano viva a sua vocação de ser imagem do Deus que é amor, comunhão perfeita de pessoas (Pai, Filho, Espírito Santo), cria o ser humano homem e mulher, para que sendo um para o outro no amor e na comunhão, sejam verdadeiramente imagem de Deus. Esta maravilhosa vocação é danificada nas origens pelo pecado. No entanto, Deus não desiste da sua obra e na plenitude dos tempos, em Jesus Cristo, sua obra é restaurada. Em Jesus Cristo a família torna-se boa notícia (evangelho), pois é lugar onde se gera para o amor, educa-se para o amor e no dia a dia se combate para que o amor seja sempre vitorioso.

Nossa época está marcada pelo individualismo e subjetivismo e isso influencia profundamente a vida familiar. É preciso que os cristãos entendam e vivenciem a vocação matrimonial/familiar como um dom a este mundo e um verdadeiro evangelho.

Estamos encerrando o Ano Diocesano da Família, que tem como lema: “Família: lugar da Palavra, da oração e do partir o pão”. Alguns eventos diocesanos nos ajudaram a refletir sobre o evangelho da família: a abertura deste ano em 08 de dezembro de 2021 que abriu para as paróquias a possibilidade de tantos eventos paroquiais; a Semana Diocesana de formação, no mês de julho, que procurou expor o ensinamento da Igreja sobre o Matrimônio e a família; a Semana Nacional da Família, em agosto, que proporcionou momentos de encontro e reflexão nas paróquias; o Congresso Diocesano da Família, nos dias 30 de setembro e 01 de outubro, que tocou em alguns problemas específicos de Pastoral Familiar. Neste mês de dezembro, a Novena do Natal, “Em família acolhemos o Verbo de Deus na oração partilhando o pão”, permite-nos abrir os nossos lares como locais privilegiados para a vivência do Mistério da Encarnação. No próximo dia 30 de dezembro, festa da Sagrada Família, celebraremos a Eucaristia, encerrando este ano, colocando no Mistério Pascal todos os projetos que Deus suscitou em nossos corações. Este último momento do Ano Diocesano da Família, será na Paróquia NS de Fátima, do Jardim Tranquilidade, às 20h.

Não podemos perder de vista que o projeto de Deus para o matrimônio e a família está enraizado no Sacramento do Matrimônio. A vivência deste Sacramento na sociedade e na Igreja pelos casais cristãos, unidos pelos laços do Sacramento do Matrimônio, é e sempre será um anúncio alegre primordial do “evangelho da família.”

Não esqueçamos, porém, que tantas feridas ocorridas e que ocorrem no seio das famílias, geram tantas formas de situações familiares que não correspondem objetivamente a este projeto de Deus. Algumas situações são, humanamente falando, irremediáveis. Estarão estas situações excluídas do amor de Deus? Serão indignos, os que vivem nesta situação, de se chamarem família? Pior ainda: estarão excluídos do anúncio do Evangelho? De modo algum. A Exortação pós-sinodal Amoris Laetitia, do Papa Francisco, nos chama a toda uma ação pastoral: “Acompanhar, discernir, e integrar a fragilidade”, tal como é o título do capítulo oitavo da Exortação, que deve ser traduzido em nossa pastoral familiar como proximidade, discernimento, misericórdia, integração. Ninguém está excluído do amor de Deus. Apesar dos pesares, do peso e da dor, ninguém está excluído de deixar-se guiar pela palavra e pela alegria do Evangelho. Todos podem viver e testemunhar, mesmo em situações especiais, o Evangelho da família.

A família constitui-se como protagonista da ação pastoral através do anúncio explícito do Evangelho e da herança de múltiplas formas de testemunho: a solidariedade para com os pobres, a abertura à diversidade de pessoas, a preservação da criação, a solidariedade moral e material para com as demais famílias, principalmente para com as mais necessitadas, o esforço pela promoção do bem comum, também  mediante a transformação das estruturas sociais injustas, a partir do espaço no qual ela vive, pondo em prática as obras de misericórdia corporais e espirituais.”  (AL 290)

 

Dom Edmilson Amador Caetano, O.Cist.

Bispo diocesano de Guarulhos

OUTRAS NOTÍCIAS