Diocese de Guarulhos

SÃO PAULO - BRASIL

“O Senhor fez em mim maravilhas.” (Lc 1,49)

Partilhar é uma missão!

A Igreja vive este novo tempo litúrgico, tempo da Quaresma, como tempo verdadeiramente favorável, que Deus nos concede para a reflexão, um convite à conversão: Como colaboradores de Cristo, nós vos exortamos a não receberdes em vão a graça de Deus, pois ele diz: “No momento favorável, eu te ouvi e, no dia da salvação, eu te socorri”. É agora o momento favorável, é agora o dia da salvação” (2Cor 6,1-2).

É tempo de nos refazer, mudar de vida. O próprio Senhor nos diz: “Não quero a morte do pecador, mas que mude de conduta” (Ez 33,11). Voltados para Deus, devemos redirecionar nossa vida à Ele, reconhecer que somos pecadores, necessitados do Seu perdão, implorar humildemente sua misericórdia.

As práticas penitenciais nos ajudam a viver de modo mais intenso este espirito quaresmal, encontrando na oração, na esmola e no jejum a força restauradora para seguir adiante nosso compromisso de discípulo de Jesus Cristo. Sejamos dóceis à ação do Espírito de Deus e deixemos que tais práticas nos impulsione a viver o que Deus tem para cada um de nós.

A Igreja no Brasil durante este período litúrgico vive a Campanha da Fraternidade, que neste ano nos convida a lançar o olhar para os irmãos mais necessitados, afetados pelo flagelo da fome. É inadmissível que em nosso país, pessoas morram de fome. Isso é grave e deve nos fazer refletir, pois o país produz quantidade suficiente para saciar a todos. Em meio a tanta abundância na produção de alimentos, a fome ainda mata no país. Devemos nos perguntar, por que produzimos tanto e, ainda assim, uma parcela da população morre de fome? Em paralelo a isso, descartam-se toneladas de alimentos, ou seja, a partilha não acontece.

A partir do lema da CF deste ano: “Dai-lhes vós mesmos de comer” (Mt 14,16), somos chamados a acolher de Jesus a missão de partilhar com os irmãos, sobretudo, os que mais precisam, alimento material, mas também espiritual, apresentar o Senhor aos irmãos, pois a prática da caridade feita ao irmão é saciar o próprio Cristo que diz “todas as vezes que fizestes isso a um destes mais pequenos, foi a mim que o fizestes” (Mt 25,35.40).

O dízimo ao tratar da Dimensão Caritativa tem o compromisso de tornar presente este mandato de Jesus, ter compaixão dos que sofrem, colocar-se a serviço dos pobres. Eis a missão da Igreja, de todo dizimista, de todo cristão. Por isso, é importante termos clareza de que toda partilha realizada na comunidade faz com esta dimensão ganhe força e dê mais dignidade aos filhos e filhas de Deus que passam necessidade.

Roguemos a Deus e supliquemos que a Virgem Aparecida nos ajude na reflexão desta temática, que seja acolhida por toda a Igreja e desperte em cada um de nós a consciência de que somos chamados à partilha, ofertar aos irmãos e à Igreja o que gratuitamente recebemos de Deus. A partilha não pode ser restrita a uma campanha apenas, mas deve ser uma atitude constante de cada cristão que verdadeiramente fez o encontro pessoal com Jesus Cristo. Partilhar é uma missão!

 

Pastoral do Dízimo Diocesana

NOTÍCIAS DIOCESANAS

Você sonha em ser mãe?

Os desafios da maternidade nos dias de hoje. Uma pesquisa realizada pela Bayer Indústria farmacêutica aponta, que no Brasil 37% das mulheres não querem ter

Leia mais