Diocese de Guarulhos

SÃO PAULO - BRASIL

“O Senhor fez em mim maravilhas.” (Lc 1,49)

Pesquisar

“O pão nosso de cada dia, dai-nos hoje”.

O Senhor Jesus ao ensinar-nos a rezar com a oração do Pai Nosso, nos dá a oportunidade de fazer com que de nossos lábios saia a prece que nos convém, ou seja, a prece que é conforme a vontade Deus. Afinal, o cristão reza para fazer a vontade de Deus e para estar na vontade de Deus.

A oração do Pai Nosso não é individualista e intimista. É “nosso” Pai. Estamos unidos por esta paternidade. Não podemos dizer “Pai Nosso” desvinculados uns dos outros. Cada petição do Pai Nosso possui uma dimensão comunitária e fraterna. Tem a dimensão do “nós”. Em cada petição não pode ser realizado algo que privilegie a mim em detrimento do outro.

Deste modo, a petição “o pão nosso de cada dia dai-nos hoje”. Só pode ser feita em dimensão comunitária. Eu não posso pedir o pão somente para mim, sem olhar para o outro que também necessita. Esta petição é compromisso de olhar para o outro.

Jesus quando vê os discípulos preocupados com o pão somente para si, querendo dispensar a multidão, ordena-lhes: “Dai-lhes vós mesmos de comer.” (cf. Mt 14,16)

Alguns podem objetar também como os discípulos, que nem há mesmo comida para todos… Esta atitude individualista foi a dos hebreus no deserto quando recolheram o maná pela primeira vez. Ao invés de recolherem, conforme a ordem que Deus deu a Moisés, o necessário para cada dia, cada um se apressava em recolher o máximo que pudesse para si. Qual foi o resultado? Podridão e mau cheiro tomaram conta do acampamento…(cf. Ex 16,1-20)

Não falta alimento no Brasil e no mundo. Falta a vivência do “nós”. Há má distribuição. Há desperdício. Não falta terra para produzir alimentos no Brasil, há, sim, grandes latifúndios improdutivos nas mãos de poucos, que não abrem sequer a possibilidade para a produção agrícola. Há, sim, a grande exploração do agronegócio, visando cada vez mais a exportação (ganhar em dólares), onde o que importa é o lucro e não a alimentação. Há a mentalidade do acumular para “mim” em detrimento do produzir para “nós”. Aqui também cabe a parábola contada por Jesus  do homem que só pensou em acumular para si, mas não se preocupou em ser rico para Deus. (cf. Lc 12,13-21).

A petição da oração do Senhor “o pão nosso de cada dia, dai-nos hoje” coloca em realce além do “nosso”, para que não sejamos individualistas e egoístas,  a especificação “de cada dia”, para não incorrermos na tentação do acumular  e termos  a sensação falsa de segurança, mediante o juntar para si, sem olhar para o outro.

Pedir o “o pão nosso de cada dia”, é pedir o essencial para a existência humana. Esta petição possui também sua dimensão espiritual e mística. O pão de que necessitamos cada dia, até mesmo para não cairmos no individualismo e egoísmo, é o Cristo no seu mistério pascal. Precisamos de Cristo, nosso pão, cada dia, para não nos fecharmos em nós mesmos e aprendermos a amar na dimensão da cruz de Nosso Senhor. Ser para o outro. O mesmo Senhor que ensinou a pedir o pão de cada dia, é o mesmo Senhor que exigiu que quem o quisesse seguir tomasse sua cruz cada dia. (cf. Lc 9,23)

 

Dom Edmilson Amador Caetano, O.Cist.

Bispo diocesano

NOTÍCIAS E ARTIGOS

Aspirai aos dons mais elevados (1Cor 12,31)

Amados diocesanos, coragem! “Aspirai aos dons mais elevados” (1Cor 12,31). Iniciamos nossas atividades pastorais com uma grande notícia: voltamos com a ‘Folha Diocesana’ impressa. Bendito