Diocese de Guarulhos

SÃO PAULO - BRASIL

“O Senhor fez em mim maravilhas.” (Lc 1,49)

Pesquisar

Encontro Nacional de Presbíteros do Equador

(Guayaquil, 12 de julho de 2023)

Discurso do Cardeal Lazzaro Cardo You Heung-sik – Prefeito do Dicastério para o Clero

Queridos irmãos sacerdotes!

Em primeiro lugar, um OBRIGADO pela sua presença aqui, mas muito mais pelo seu serviço ao Povo de Deus, pela sua dedicação ao povo que lhe foi confiado, dia após dia e especialmente na recente pandemia que tem sido para nós, ministros de Deus, um tempo que a todos nós pôs à prova.

Estou feliz por poder conhecê-los hoje e ter essa oportunidade de olhar junto de vocês para a minha vida e para a nossa vida. Falo-vos de coração aberto, sem formalidades, e por isso começo por vos contar primeiramente algo sobre mim e depois disso, de vez em quando partilharei convosco algo sobre a minha vida.

Uma opção que deve ser sempre renovada

Quando o Papa Francisco me disse, em abril de 2021, que queria me chamar a Roma e me tornar prefeito do Dicastério para o Clero, fiquei chocado. Nunca imaginei trabalhar um dia no Vaticano, longe da minha terra natal e longe do meu povo. Na Coreia, eu era um bispo feliz, empenhado juntamente com a minha diocese num caminho promissor seguindo os passos dos nossos mártires. O Papa Francisco veio até nós na diocese para a Jornada da Juventude Asiática e surgiram iniciativas interessantes. Tínhamos também realizado um Sínodo diocesano que reunia padres e leigos, e eu estava construindo uma nova Cúria diocesana.

E veio esse chamado, esse pedido do Papa. Eu disse: “Mas eu sou camponês, filho de camponeses”. O Papa não ficou impressionado com isso.

Ele se informara sobre mim e sabia que eu tinha uma relação boa e fraternal com os padres. Era isso que lhe interessava.

Serei sincero: deixar tudo e até deixar um certo padrão de vida – o carro com o motorista, as freiras que cuidavam da casa, os colaboradores à minha disposição e o apreço das pessoas – não foi fácil. Cheguei em Roma e não havia apartamento para mim. Morei por três meses e meio em um quarto com banheiro, cercado por minhas malas. E depois mais três meses em Santa Marta, perto do Papa, mas sem casa própria. Para mim foi uma purificação saudável. Isso me ajudou a voltar mais uma vez ao essencial do evangelho. Foi a ocasião de uma escolha renovada somente de Deus. Peço por mim e por vós a graça de saberdes renovar sempre esta escolha. Quando somos jovens, se tudo der certo, começamos com grandes ideais, mas com o passar dos anos corremos o risco de nos acomodarmos, de não termos mais aquele frescor evangélico, e então nossa vida não é mais um testemunho transparente de Deus. E é justamente nesse momento! — a ocasião de uma segunda escolha de Deus, mais profunda e verdadeira do que aquela que fizemos com o entusiasmo e o entusiasmo que sentimos como jovens.

Padres felizes ou desanimados?

Vou contar outra coisa que aconteceu comigo. Quando minha nomeação foi publicada, em 1º de junho de 2021, um amigo bispo me ligou e disse: “Agora você está encarregado de fazer todos os sacerdotes do mundo felizes”. Estas palavras tocaram-me como se viessem do próprio Deus e nunca me abandonaram: fazer felizes os sacerdotes! Não é fácil porque, quando olho em volta, vejo tantos padres desanimados. E eu os entendo: há muitas razões para que se sentam sobrecarregados e certamente vocês também têm muito a dizer sobre isso. Vamos tentar relembrar algumas causas dessa situação. Cito quatro que mais se destacam, mas há outras também.

  1. A sobrecarga. Em muitas partes do mundo, os sacerdotes carregam um fardo maior do que podem carregar. Muitas vezes são em número reduzido e as paróquias são grandes e até muito grandes, com muitas comunidades a seguir e por vezes distantes. As pessoas depositam muitas expectativas nos padres. Para chegar a todos, há muitas missas para celebrar: talvez cinco ou seis aos domingos e duas, três, quatro nos dias de semana. E depois a catequese a fazer, os grupos e associações a seguir, os sacramentos a preparar. Você nunca chega ao fim: sempre em movimento, sempre em ação. Com esse “supertrabalho”, em determinado momento a pessoa se sente vazia, o entusiasmo desaparece e entra na rotina; os mais entusiasmados, por outro lado, correm o risco de se exaurir. E lá dentro há uma situação de aridez e até à noite: já não se sente nada, apenas funciona.
  1. Um segundo motivo: a solidão e o individualismo. O Concílio Vaticano II falou dos sacerdotes quase exclusivamente no plural — sacerdotes; e não: o sacerdote — e deixou-nos no n. 8 do Decreto “Presbyterorum Ordinis” uma página maravilhosa sobre a comunhão sacerdotal, encorajando os sacerdotes a praticar várias formas de vida comum: da convivência à mesa comum ou, pelo menos, reuniões frequentes. Mas, infelizmente, a realidade é outra: os sacerdotes quase sempre se encontram vivendo e trabalhando sozinhos, e isso muitas vezes já desde os primeiros anos de ministério. Eles escolheram – esperamos – a vida no celibato pensando que assim eles podem reviver a experiência dos apóstolos com Jesus e entre si, mas na realidade eles estão sozinhos. Vivem para os outros, entregam-se às pessoas, mas quando voltam tarde da noite para casa, não há ninguém. Só tem a TV. E apetece-se dizer: “Desgasto-me pelos outros, corro de manhã à noite, mas quem pensa em mim? Não tenho ninguém.” Nesta situação é fácil procurar substitutos, e também é fácil tornarmo-nos individualistas, capazes de ter e dirigir muitos colaboradores, que dependem de nós, mas pouco capazes e dispostos a colaborar em pé de igualdade com outros sacerdotes e também com os leigos.
  1. Nossa fragilidade. Já falamos sobre sobrecarga e solidão, mas há um terceiro motivo de desânimo que afeta a todos nós. Quanto mais avançamos, mais descobrimos que não somos super-heróis e sim cheios de limites; não somos o super-homem, mas temos nossas fraquezas. E então sentimos que não estamos à altura da nossa tarefa e da nossa vocação. Descobrimos — se formos realistas e sinceros — nossa fraqueza e o fato de que somos pecadores. O Papa Francisco frequentemente nos fala sobre isso. Comparado com Jesus e seu Evangelho, todos nós temos em algum momento a experiência de Pedro que, vendo a distância infinita entre ele e Jesus, exclama: “Senhor, afasta-te de mim, sou um pecador” (LC 5, 8). E, depois de ter negado Jesus, chorou amargamente (Cf. LC 22,62). Se não formos superficiais e sensíveis, mais cedo ou mais tarde o sentimento de nossa inadequação corre o risco de nos desencorajar e às vezes até nos esmagar.
  1. Uma Igreja e uma sociedade em rápida mudança. Há uma quarta coisa que facilmente produz em nós desânimo e não um pouco. Vivemos em uma sociedade em rápida mudança. E não é uma mudança linear e gradual, mas uma mudança radical, tanto que o Papa Francisco fala de uma mudança de época. Muitas coisas que eram úteis e válidas até ontem não são mais úteis hoje. Pense na máquina de escrever, outrora indispensável. Hoje é uma peça de museu. Muitos jovens nem sabem mais o que é. O mesmo acontece também no campo pastoral: certas formas de fazer as coisas que até ontem davam frutos, no mundo digital e globalizado de hoje já não têm impacto. E nos vemos deslocados. Nesta situação, a Igreja é chamada a trilhar novos caminhos. Entre elas está a sinodalidade, que estabelece um caminho diferente na relação entre sacerdotes e leigos, mais participativo e mais igualitário, e busca ativar e colocar todo o Povo de Deus em missão. Mas não estamos acostumados com isso. Então começamos a nos questionar muito sobre nosso papel e nossa identidade e corremos o risco de ficar bloqueados, desanimados.

Sacerdotes felizes, no espírito das bem-aventuranças

Dizia-lhes que fiquei muito impressionado com as palavras daquele bispo amigo que me disse: “Agora você é responsável por todos os padres do mundo serem felizes”. Essa palavra me fez olhar para os padres que encontro quando atravesso a Praça de São Pedro para ir de casa ao escritório ou vice-versa com outros olhos: eles são felizes? Eles estão na luz? Eles têm alegria? Ou estão tristes, cansados, desanimados? Não raro paro e converso com um ou outro. Eles ficam surpresos quando descobrem que sou o Prefeito do Departamento para o Clero e me interesso por eles como um irmão. Na verdade, também eu saio desses momentos enriquecido, porque compreendo melhor o que os sacerdotes vivem e o que esperam nas várias etapas da vida e nas várias situações existenciais. E fico feliz quando finalmente podemos nos despedir com alegria.

Mas esta é apenas uma primeira resposta ao pedido do meu amigo bispo que sinto como um pedido que me veio de Deus. Dissemos a nós mesmos e repetimos sempre em nosso Dicastério que devemos trabalhar e agir para que os sacerdotes do mundo possam viver sua vocação com mais coragem e mais alegria.

Mas o que pode fazer um padre feliz? Tenho me observado e convido você a me fazer a pergunta: o que me faz feliz? Feliz de forma alguma, fugaz e superficial e talvez egoísta; mas feliz num sentido verdadeiro, profundo, evangélico? Compartilho três situações que me chamaram a atenção, mas com certeza você saberia acrescentar outras.

  1. Somos felizes quando nos sentimos olhados com confiança, estima e benevolência. Aqui, na verdade, surge uma grande responsabilidade recíproca entre nós, sacerdotes: como olhamos uns para os outros? E como nos sentimos olhados uns pelos outros? Há a terrível expressão que fala de “invidia clericalis”: de inveja entre os sacerdotes. Quem de nós não passou por isso? Quanto mal fazemos uns aos outros com isso! E há outro fenômeno, que o Papa Francisco não hesita em chamar de “câncer”: fofocas, falar mal um do outro e reclamar um do outro: o pároco vizinho, o bispo, o vigário geral… Falar mal dos outros, em vez de abençoá-los: em vez de falar bem deles e criar no presbitério um clima de confiança, estima e benevolência! Se isso não existe, é fácil começarmos a procurar afeto em outro lugar.

Mas devemos ser realistas: nunca encontraremos um presbitério ideal ou um bispo perfeito, um vigário geral perfeito! O profeta Jeremias adverte: “Maldito é o homem que confia no homem e põe o seu apoio na carne, afastando o seu coração do Senhor” (Jr 17:5). A verdadeira âncora da salvação em nossas vidas e a única fonte de estima e benevolência que nunca falha é o Senhor! Precisamos nos expor diariamente aos raios desse Sol divino que é o Seu Amor. E isso acontece especialmente na oração. Alguém disse: “A oração é a casa da virgem”. É claro que não qualquer oração superficial feita apenas com palavras, mas a oração vivida com o coração quando estamos diante dele e a escutamos, pobres e desarmados, abertos interiormente e silenciosos.

Desde que moro no Vaticano, todas as manhãs me levanto um pouco antes das 5 e saio de casa para a Gruta de Lourdes nos Jardins do Vaticano. Enquanto eu estou andando eu rezo o Rosário e medito: ando na companhia de Nossa Senhora, ouvindo Jesus. Olho para a minha vida e para o meu dia com Ele, falo com Ele e escuto-O, confio-Lhe pessoas e coisas, coloco nas Suas mãos preocupações e nós para desatar. Volto para casa com nova luz e com novo alento, mais consciente de que sou filho de Deus, amado por Ele, e que só assim posso ser irmão e pai de todos que encontro. Por isso, sou um feliz Cardeal e Prefeito, apesar do trabalho árduo e dos muitos problemas que tenho de enfrentar todos os dias.

  1. Uma segunda experiência que pode surpreendê-los: sou feliz, evangelicamente feliz, quando não tenho nada a esconder. Mas como podemos fazê-lo, se todos temos fragilidades e inevitavelmente cometemos erros e equívocos? Quem de nós poderia dizer que está tudo bem em sua vida? Seríamos como aquele fariseu que sobe ao templo, se levanta na primeira fila e diz: «Ó Deus, agradeço-Te por não ser como os outros» (Lc 18, 11). Em vez disso, todos precisamos recorrer humildemente ao grande dom do sacramento da reconciliação. É verdade que às vezes nos aproximamos deste sacramento com medo e vergonha, mas depois voltamos a ser inteiros, completos, e sentimos uma nova liberdade: não temos nada a esconder; não há nada que não seja confiado à misericórdia e ao perdão de Deus. Para mim, quando cheguei a Roma, era uma prioridade encontrar um confessor estável e visitá-lo regularmente.

Mas a confissão por si só não é suficiente. Nós, que somos chamados a ser pais de almas e entramos em contato com tantas situações pessoais, mesmo íntimas e delicadas, também precisamos ser acompanhados; ou seja, precisamos recorrer a uma pessoa madura e deixá-la olhar para nós como um livro aberto. Sabemos que um carro precisa ser levado à oficina de vez em quando para um serviço, se não quisermos ter surpresas desagradáveis. Da mesma forma, também precisamos nos deixar olhar de vez em quando por um especialista sem esconder nossas sombras e nossas incoerências, para entender como lidar com elas e remediá-las. Caso contrário, corremos o risco de ser guias cegos (cf. Mt 23, 16,24) e de ligar as pessoas a nós e não a Jesus, enredando-nos em situações pouco claras. E não experimentamos a felicidade dos “puros de coração” (cf. Mt 5, 8): daqueles que têm a coragem de deixar purificar novamente o coração.

  1. Uma terceira experiência que penso que todos nós fazemos: ficamos felizes quando estamos com bons amigos ou familiares e almoçamos ou jantamos bem, passeamos ou passamos férias juntos. Quem de nós não se lembra de momentos como esses? Momentos em que todas as preocupações desaparecem e podemos simplesmente ser nós mesmos, sem máscaras e sem defesas; momentos em que também acolhemos os outros como eles são, nos entregamos generosamente a eles e eles fazem o mesmo. Então nos sentimos em casa, não mais sozinhos e em perigo, mas protegidos. “Um padre precisa de um lar – o padre precisa de um lar”, repetia muitas vezes o padre que cuidou de grande parte da minha formação no ministério e a quem tanto devo. Ora, esta casa não deve ser um refúgio que a gente encontra em algum lugar – na própria família de origem ou no círculo de amigos ou em outro lugar – mas deve ser o santuário. Para mim esta é uma questão prioritária: nos preocupamos com muitas pessoas, mas cuidamos uns dos outros? Quão próximos estamos de alguém que, como padre, passa por um momento de incerteza, de dúvida, à noite? Quem encontra dificuldades no ministério pastoral e talvez seja atacado pelas pessoas? Quem tem uma paróquia pobre e quase não tem o que é preciso para viver? E como estamos próximos também do bispo que muitas vezes tem uma vida mais complicada que a nossa. Se as alegrias e as tristezas chegam até nós como párocos, muitas vezes os problemas chegam sobretudo ao bispo. Em resumo, quanto fazemos para que possam nossos irmãos e também o bispo ser felizes e para que possamos ser felizes junto com eles? Só assim a nossa vida será atraente e poderão também nascer novas vocações! E somente assim — somente se nós sacerdotes formos uma verdadeira comunidade entre nós — seremos verdadeiros construtores da comunidade onde realizamos nosso serviço ministerial.

É por isso que sempre foi uma prioridade para mim lembrar os aniversários dos meus irmãos, pegar o telefone e ligar para eles para que eles sintam minha proximidade. Assim como é uma prioridade para mim hoje, chegar ao Dicastério pela manhã ao mesmo tempo que todos os outros e não me sentar imediatamente na mesa, mas parar na entrada para trocar algumas palavras com um ou outro e depois passar de escritório em escritório para cumprimentar os outros também. Não é tempo perdido, mas aquilo que torna o nosso serviço real e autêntico: «Nisto todos saberão que sois meus discípulos, se vos amardes uns aos outros» (Jo 13, 35). E você sabia que até mesmo os bispos, quando vêm até nós em sua visita ad limina, ficam felizes em serem recebidos com um café ou um suco e alguns doces? Porque, na realidade, até os bispos precisam de um lar!

Construído sobre a rocha

Queridos irmãos sacerdotes: Fizemos muitas considerações sobre o que pode nos desanimar em nosso ministério e sobre o que pode nos alegrar. A verdadeira felicidade – Jesus faz-nos compreender nas bem-aventuranças com que abre o Sermão da Montanha – é a felicidade pascal: “Bem-aventurados os pobres de espírito, porque deles é o reino dos céus. Bem-aventurados os que choram, porque consolai-vos. Bem-aventurados os mansos, porque herdarão a terra…” (Mt 5, 3-5). No final, para resumir todo aquele Discurso, Jesus afirma: “Portanto, quem ouve estas minhas palavras e as põe em prática será como um homem prudente que construiu a sua casa sobre a rocha. Caiu a chuva, transbordaram os rios, sopraram os ventos e bateram contra aquela casa, mas ela não caiu, porque estava edificada sobre a rocha” (Mt 7, 24-25). Nossa felicidade só pode ser firme e duradoura se for baseada na Palavra de Deus, na vida e a colocar em prática a Palavra de Deus.

Por isso me é tão querido o lema que guiou toda a segunda parte da minha formação ao ministério e sobre o qual falarei esta tarde aos seminaristas: um só livro: o Evangelho; uma única lei: o novo mandamento; Um Mestre: Jesus.

Mas então veio minha ordenação. Estranhamente, acordei naquela manhã com a impressão de que iria morrer naquele dia. Quando mais tarde, durante a missa, me prostrei por terra, senti-me como o trigo que cai na terra e morre: morre com Cristo para o bem dos irmãos. Naquele dia compreendi que ser padre significa morrer para viver com Jesus pelos meus irmãos e me uni profundamente a Jesus crucificado: sim, naquele dia me casei com Jesus crucificado e abandonado. Passaram-se mais de 40 anos e posso dizer duas coisas: primeiro, é esta união com Jesus abandonado na cruz, é este “casamento” com Ele, que sempre me fez continuar; em segundo lugar, é esta união com Jesus abandonado que sempre me fez passar, uma e outra vez, da Cruz à Ressurreição, dos problemas à esperança, dos conflitos à caridade, do negativo e das trevas, à luz e ao positivo.

Recentemente, fui convidado a ordenar 25 diáconos da Prelazia do Opus Dei como sacerdotes. Alguns dias antes eu os conheci e tivemos um momento de profunda comunhão. Tive a coragem de falar-lhes de coração aberto e disse-lhes sem rodeios: tornar-se sacerdote significa casar-se com Jesus Abandonado, porque foi ali na Cruz e no mais negro abandono que Ele gerou a Igreja, a nova humanidade. Todos ficaram impressionados com essas minhas palavras. Fiquei muito feliz quando, após a celebração da ordenação, um deles veio até mim e disse: “Hoje me casei com Jesus Abandonado”. Pensei: este sacerdote compreendeu verdadeiramente o segredo da felicidade e da fecundidade sacerdotal. Sua vida é construída sobre a rocha.

Em conclusão

Permitam-me que diga, para concluir, uma palavra final que resume um pouco tudo o que partilhei convosco: os desafios da vida sacerdotal e ministerial de hoje são muitos; Acho que precisamos deixar de agir como sacerdotes para sermos sacerdotes, como Jesus.

Fonte: https://presbiteros.org.br/

NOTÍCIAS E ARTIGOS

Advento, o que esperamos?

A liturgia do advento contém uma autêntica espiritualidade litúrgica, centrada na vinda do Senhor e sua espera; a vinda do Senhor na carne e no