Diocese de Guarulhos

SÃO PAULO - BRASIL

“O Senhor fez em mim maravilhas.” (Lc 1,49)

A importância da Palavra de Deus na Vocação

Setembro comumente celebra-se na Igreja no Brasil o mês da Bíblia. A Exortação Apostólica Pastores Dabo Vobis, de São João Paulo II, sobre a formação dos sacerdotes, compreende que na formação intelectual ao ministério presbiteral, o candidato deve realizar uma reflexão amadurecida sobre a fé, condicionada a duas vertentes fundadas na contemplação da Sagrada Escritura: a primeira é a do estudo da Palavra de Deus, vivida e celebrada pela Tradição da Igreja, com a autoridade do seu Magistério. Com o aprofundado estudo, espere-se um contato e uma intimidade do seminarista com as Escrituras, a fim de que ela seja “a alma de toda a teologia” – conforme nos aponta os padres conciliares na Optatam totius.

A saber, o contato com as Sacras Páginas não oriunda somente de uma leitura espiritual, crítica ou tanto histórica da passagem selecionada, mas dispõe-se também das técnicas de exegese e de hermenêutica, que auxiliam na compreensão do texto – além do estudo dos Padres da Igreja e da Liturgia, da História da Igreja e da doutrina do Magistério que contribuem para a compreensão e fundamentação dos trechos bíblicos.

A segunda vertente é a do homem como um interlocutor de Deus pelas páginas da Escritura. Compreende-se que cada pessoa é chamada pelo Senhor a crer, experimentar e a comunicar aos demais a Verdade Revelada, tornando-se colaborador do anúncio da Salvação. Com efeito, a Sagrada Escritura é a transmissão da Boa Notícia dada pelo Senhor, da qual deve ser impressa em páginas e inscrita em cada coração humano, e que o seminarista é convocado a amar, refletir e proclamar.

Deveras, o candidato ao sacerdócio, adquirindo uma compreensão mais profunda da Palavra de Deus, contida na Sagrada Escritura, transmitida fielmente pela Tradição viva da Igreja sob a orientação do Magistério, procura vivenciar e transmitir o ensinamento da Revelação diante das solicitações do mundo atual, conferindo a convergência entre a razão – alcançada pelos instrumentais filosóficos e teológicos – e da espiritualidade – dada a intimidade e aprofundamento produzidos pela leitura e oração da Bíblia. Assim, a Palavra de Deus torna-se fonte de espiritualidade e da vocação de cada cristão – e, em especial, dos presbíteros.

 

Sem. Edson Vitor – 3º ano de Teologia

NOTÍCIAS DIOCESANAS