Reforma Trabalhista é tema do Fórum das Pastorais Sociais na Diocese

No dia 14 de Abril, com organização das Pastorais Sociais, da Diocese e participação  de juízes, advogados e agentes de pastorais, aconteceu o Fórum das Pastorais  Sociais. A temática tratada foi a Reforma Trabalhista em vigor e seus impactos na vida dos brasileiros. A oração inicial conduzida, durante aquela tarde, já nos dizia que devemos ser “sal da terra e luz do mundo.

Prof.ª   Francine  Delfino, trouxe   todos os pontos   da reforma trabalhista, apresentando de maneira  mais enfática as grandes mudanças aplicadas bem como suas consequências. Deste modo é preciso sempre estar atento, pois a lei veio com a intenção de formalizar os trabalhos informais e, assim aumentar as estatísticas de emprego no país.

Dr. Antônio Pimenta, utilizou-se da fala da Doutrina Social da Igreja para seguir a linha de pensamento. Motivou os cristãos ao trabalho, como uma  dádiva de Deus. Apresentou a importância da reforma trabalhista, que já é algo que a muito se esperava, no entanto não deixou de demonstrar   a insatisfação ao se aproveitarem de um momento de dificuldade do país para impor uma imagem do novo governo, mas pontuou e apontou avanços como  a diminuição de ações infundadas que chegavam a julgamento,

Dr. Benedito José de Souza, foi firme ao dizer  que a Justiça do Trabalho não acabou. O que ocorreu não foi a retirada de direitos do trabalhador, no entanto impôs limites, mas que não se deve jamais deixar de acreditar na justiça e que, em  caso de o trabalhador se sentir lesado, deve procurar um advogado e buscar seus direitos, mas ressaltou que as aventuras no campo trabalhistas acabaram e que com isso a justiça ganha e o trabalhador também.

Dr.  Gabriel A. De Melo Souza, trouxe em sua fala os  Acordos Extrajudiciais, onde empregado e patrão  realizam um acordo livre. Está previsto no artigo 855-B da CLT, possuindo algumas regras específicas a fim de evitar fraudes e prejuízos  ao empregado. Também deixou sua insatisfação com a Reforma imposta.

Por fim, os convidados  finalizaram, diante das  dúvidas referentes a CLT  e formalização de trabalho-    onde tranquilizaram o trabalhador   quanto a manutenção das Leis Trabalhistas,  e, mesmo com novas imposições e supressões  de direitos, o judiciário deve equilibrar as decisões.

Já tratando  de relações de trabalho,  explicaram sobre a boa utilização  das leis, visto que a nova lei trabalhista  vem para aumentar a formalização. Assim muitos que trabalhavam e não  tinham seus direitos, pois viviam na informalidade, agora podem  ter, além de aumentar significativamente as estatísticas de emprego no país, visto que uma pessoa poderá ter até mais de um registro, contribuindo para  diminuição do desemprego.

Destacaram também que a possibilidade de mais de um registro poderá causar a diminuição de trabalho, pois poderá haver pessoas  com registro, mas sem trabalho (contrato de trabalho intermitente) ou mesmo com salários abaixo do que sua classe possibilita (sendo terceirizado). Contudo, recomendaram que, em ambos os casos, o trabalhador deve se atentar aos recolhimentos, pois futuramente poderá ter menor tempo de contribuição.

Compartilhe:
Facebook
TWITTER
YOUTUBE
Instagram

Comments are closed.