Obras de Arte nas Paredes da Catedral

0
Desde o ano passado, estão sendo implantados azulejos artísticos nas paredes da Catedral, retratando os 20 mistérios do rosário. A obra, do artista Ciano Soares, de Vinhedo, no interior de São Paulo, tem delicados detalhes como o esboço da igreja matriz de cada uma das 38 paróquias de Guarulhos.
Segundo o pároco Antônio Bosco, os azulejos têm inspiração colonial portuguesa, com predomínio do azul cobalto. “Nosso objetivo é traduzir em cores e formas as páginas do Evangelho relativas aos mistérios [Gozosos, Luminosos, Dolorosos e Gloriosos]”, diz o padre, salientando que a ideia dos azulejos artísticos partiu de Dom Joaquim Justino Carreira, bispo falecido em setembro do ano passado. “A primeira cena [dos mistérios Gozosos, ao lado direito do altar] foi abençoada por ele [Dom Joaquim]”, complementa.
Além dos painéis, outras 15 imagens, representando a Via Sacra, estão sendo colocadas nas colunas da Catedral.
Nas cenas retratadas, cada detalhe é elemento importante. Portanto, é preciso parar e observar:

– Cada painel traz molduras e nelas estão representadas plantas e flores como rosa, margarida, camélia, bico-de-papagaio e acanto (planta característica da Europa). Acima delas está a anhuma, ave presente na bandeira de Guarulhos.
– Pode ser vista, também, uma concha aberta com uma pérola. “A concha simboliza Maria e a pérola, Jesus. Diz uma lenda que a ostra, ao ser atingida por um raio de luz, é fecundada. Faz-se uma analogia ao Espírito Santo, que é o raio, a ostra, que é Maria, e a pérola, que é Jesus”, aponta o padre Bosco.
– Na primeira cena, por exemplo, ao lado direito do altar, estão retratadas, ao fundo da imagem, as igrejas Catedral, Bonsucesso, Sagrado Coração de Jesus (atual São Charbel) e Bom Jesus da Cabeça, no Cabuçu. Repare nos detalhes nas vestes e adornos de Maria e do anjo, que lhe oferece uma flor. “Maria é a flor de Jessé”, explica o padre.
– Nas portas laterais da Catedral estão representados os quatros evangelistas, Lucas, Mateus, Marcos e João. “Eles estão justamente ao lado das portas para convidar os fiéis a conhecer os mistérios”.
O trabalho
Há pelo menos 15 anos, o artista Ciano Soares, se dedica a obras em vitral e azulejo. O trabalho é bastante minucioso e totalmente artesanal:  primeiro ele faz os desenhos usando grafite, depois escaneia a imagem em várias partes. “Com a aprovação do desenho [neste caso pelo padre Antônio Bosco], faço a plotagem [impressão em grande dimensão], transfiro com carbono para o azulejo e aí faço a técnica tradicional, com pincel e tinta. Após este processo, os azulejos são levados ao forno a 800 graus centígrados”, explica Ciano, que mantém ateliê na cidade de Vinhedo.
A chamada “queima” do azulejo leva  – no caso dos painéis como o da Catedral – três dias. É durante este processo que o óxido de cobalto penetra no esmalte do azulejo, dando forma aos desenhos. Após a queima é preciso deixar esfriar o azulejo, processo que também é demorado. “Se eu fiz a última queima às 10h da manhã, só poderei abrir o forno no dia seguinte. Aí sim poderei retirar as peças, fazer a revisão e embalar os painéis”, salienta Ciano.
A colocação das peças é feita na Catedral por um profissional que aplica as peças na parede, seguindo uma numeração. Segundo Ciano, as imagens dos Mistérios Dolorosos, por exemplo, são mais escuras. “O recurso é proposital, justamente para dar ao espectador a intensidade da cena. Outras composições, como a dos Mistérios Gozosos, são mais claras”, finaliza o artista, cuja totalidade de seu trabalho é voltada a obras sacras.
As informações são de Mônica Kikuti, da Pascom Catedral Imaculada Conceição.

Leave A Reply